Programas de Afiliados: O Que São, História, Nomenclaturas e Possibilidades

programas de afiliados

Uma das estratégias pioneiras do marketing digital, os programas de afiliados, continuam sendo uma opção atual e interessante, visto que não perdeu a relevância com o tempo e com as novas possibilidades.

O que são programas de afiliados? Pense numa ideia que lhe permite ganhar dinheiro na internet, mesmo que você não tenha produtos, estoque, capital de giro ou até mesmo um site. E essa mesma ideia pode ampliar sua capacidade de vendas, porque recruta vendedores que só serão comissionados quando efetivamente venderem! Os programas de afiliados são isso e muito mais. Eles têm vários termos característicos que irei definir ao longo do texto.

Programas de afiliados são uma ótima opção de monetização de seu negócio online, pois pode ser utilizada como fonte única de renda ou como estratégia associada a outras possibilidades.

Você não precisa nem ter site, pode apenas ter um perfil no Twitter, Instagram ou Facebook ou mesmo um pequeno negócio físico, sem conexão com a internet, e ainda assim ser afiliado de grandes lojas ou serviços online.

Você pode indicar um produto por meio de um endereço web com seu código de afiliado até em um cartão físico, mas ter um site definitivamente ajuda.

Os programas de afiliados permitem que você venda ou indique produtos e serviços de terceiros e seja comissionado por essas vendas ou indicações.

A lógica da ideia

Tudo passa por um software de afiliados que gera endereços de site com códigos individuais (tags de afiliação). Essas tags indicam que um parceiro específico deu início àquela venda, cadastro ou uso de um serviço. Então, por meio de cookies, pequenos códigos instalados no computador do visitante em sua primeira visita, o programa controla quem remeteu o visitante e, confirmada a compra ou ação desejada, adiciona o valor da comissão à conta do afiliado.

Esses cookies têm validade, a chamada janela de comissão, que significa que não basta a visita, encaminhada por um afiliado, ir ao site do anunciante e comprar algo, pois ela tem que o fazer dentro de um determinado prazo, que pode variar de horas a meses.

A janela de comissão mostra que você tem que fazer seu trabalho bem feito e isso significa fazer uma apresentação, uma pré-venda do produto ou serviço do site ao qual você é afiliado, a fim de fazer que o visitante entre no site já disposto a comprar e conclua a compra o mais rápido possível. Isso acontecendo, uma comissão é anotada em seu nome, por ter encaminhado o novo cliente.

É bom para o afiliado, que pode rentabilizar seu site, mas também é extremamente interessante para o chamado anunciante, a loja matriz, que efetivamente vende, já que somente paga por vendas ou ações confirmadas. Assim, se a venda não for fechada dentro da janela de comissão, pelo menos se recebeu visitas de potenciais clientes. Qualquer venda efetiva após a janela de comissão, nem comissão os anunciantes têm que pagar.

História dos Programas de Afiliados

Fala-se que a Amazon.com criou o primeiro programa de afiliados, em 1999, mas há registros anteriores de seu uso, como a PC Flowers em 1994, AutoWeb em 1996, IOwn, ArtToday e KB Toys em 1996. Isso é pouco importante, mas, existir desde os primórdios da internet, até hoje funcionar em bases muito próximas das originais e ser adotado por 9 em cada 10 grandes players do comércio eletrônico, mostra que os programas de afiliados precisam estar em seu plano de negócios.

E essa estratégias ainda tem uma característica bastante interessante, visto que há duas possibilidades para os programas de afiliados:

  • quando você participa do programa como afiliado, e oferece produtos de terceiros, ou,
  • como anunciante, quando você tem afiliados, que são parceiros comissionado por vendas de seus produtos.

Na primeira, você recebe comissões por vendas de afiliados e, na segunda, você paga.

No Brasil, quem registrou o termo afiliados, em 1999 foi a Booknet, atual Submarino. Eu tenho o domínio afiliado.com.br desde 2000.

programas de afiliados

Minha história com programas de afiliados

programas de afiliadosO primeiro congresso que fui com foco no que havia mais próximo de marketing digital à época, foi o Affiliate Force, em 2000, visto que tratava exclusivamente de programas de afiliados.

À época, essa estratégia talvez fosse a única acessível para quem estava começando (sem muito dinheiro, é claro).

Nosso primeiro site, GreenCard.com.br, que fazia inscrições na Loteria Americana de Green Cards, foi lançado em 1999 e em 2000 já incorporava diversos programas de afiliados, de maneira amadora, mas que já proporcionavam renda bastante razoável. Clique para ver o site à época.

A versão de 2000 da página GreenCard já abusava dos programas de afiliados, pois tinha busca patrocinada pelo Alta Vista, anúncio de um telefone pela internet, o Media Ring, uma área de encontros (seu par nos EUA), afiliada da One & Only, que mais tarde se transformou em Match.com, entre outros.

Como afiliados da Match.com, já enviamos centenas de clientes desde 2000. Eu, pessoalmente, sou padrinho de 3 casamentos de pessoas que se conheceram pelo meu site. Legal, né?

Tinha também minha (simplória) versão de programa de afiliados, já que nela eu remunerava aqueles que enviassem visitantes para meu site (área ganhe dinheiro na web). Tudo muito simples, em um site estático. Os programas de afiliados respondiam por 1/4 do faturamento do site.

Saiba mais sobre nosso primeiro site, o GreenCard.com.br, o primeiro site brasileiro sobre os EUA, e seu histórico de monetização e marketing digital, do sucesso ao término do negócio.

Os programas de afiliados podem ser de diversos tipos. Eles variam quanto à forma de comissionamento e pagamento, tipo de sistema ou software de controle e, ainda, quanto ao número de níveis.

Adesão

Para ser afiliado de uma loja (anunciante) é necessário formalizar essa associação. Aderir a um programa é relativamente fácil e, na imensa maioria das vezes, a adesão é gratuita. É aceitável a cobrança de um valor, em contrapartida a algum tipo de reserva de território ou categoria, mas isso é pouco comum no Brasil.

A adesão geralmente envolve o preenchimento de um Termo de Afiliação, concordando em respeitar o acordo de parceria. Este acordo regula:

  • como e quando o anunciante paga a comissão,
  • o que constitui uma venda válida,
  • a janela de comissão (prazo que o visitante remetido fica vinculado ao afiliado remetente) e
  • o que se pode ou não fazer quando da apresentação do produto, além de diversos outros detalhes.

É importante ler com atenção o termo de afiliação, para não ter surpresas desagradáveis.

Nomenclatura

Estes são alguns outros nomes para programas de afiliados que você pode encontrar. Os programas de afiliados também são conhecidos como programas de:

  • Parceiros ou Parceria
  • Afiliados ou Afiliação
  • Associados ou Associação
  • Marketing de Afiliados ou Afiliação
  • Marketing de Performance

Alguns outros termos que você pode ver são:

  • Editor, Publisher ou Associado – É o afiliado, aquele que promove o produto de outro site.
  • Anunciante – A matriz, a loja que busca afiliados para promoverem seus produtos.

Modelos de Comissionamento

Quanto aos tipos de trabalho a serem desempenhados pelos afiliados, cada programa tem objetivos diferentes, com remuneração variando de acordo com a performance. Considerando a abreviatura CP como “comissão por”, as formas de comissionamento podem ser:

  • CPC (comissão por clique) – Se a visita remetida clicar em links pré-determinados, o afiliado ganha comissão. Há uma variação deste formato, a CDC, comissão por duplo clique, quando isto é necessário para se completar alguma tarefa.
  • CPV (comissão por venda) – Se o visitante remetido comprar algo, está confirmado o direito à comissão.
  • CPA (comissão por ação) – O afiliado ganha se o visitante que cumprir algum roteiro pré-determinado, como visitar 5 páginas internas do site, por exemplo.
  • CPM (comissão por mil impressões) – O afiliado ganha ao publicar um banner ou link, por exemplo. A cada mil exposições, o afiliado faz jus à comissão.
  • CPL (comissão por lead) – O afiliado ganha se o visitante que remeter ao site do anunciante praticar alguma ação específica. Essa ação pode ser preencher um formulário, responder uma pesquisa, solicitar mais informações ou algo semelhante.
  • CPD (comissão por download) – O afiliado é remunerado quando os visitantes fizerem o download de algum software ou publicação.

Note que os programas de afiliados sempre têm 2 pontos de vista. Pelo do anunciante, a visão seria do custo do comissionamento. Os nomes originais em inglês têm quase todos a mesma abreviatura, porém partem do ponto de vista do anunciante, assim, CP seria cost per (custo por). Assim, CPC seria custo por clique, CPV seria custo por venda (cost per sale – CPA em inglês), CPA seria custo por ação, CPM seria custo por milhar, CPL seria custo por lead e, finalmente, CPD seria custo por download.

Cálculo de Comissionamento

O pagamento das comissões é regulamentado pelo Termo de Afiliação, que formaliza a periodicidade, a forma e os prazos de pagamento, assim como eventuais devoluções por cancelamento de compra, dentre outros. A forma de pagamento é apresentada em 3 possibilidades:

  • Percentual – O anunciante paga uma comissão que representa uma parcela do preço do produto. Normalmente desconta-se despesas externas, como custo do frete ou impostos. É o modelo mais usado por e-commerces.
  • Valor fixo – O afiliado recebe um valor fixo por tipo de produto. Por exemplo, uma loja paga R$ 20,00 pela venda de calças, R$ 10,00, por camisas e R$ 30,00, por sapatos. É mais usado em sites que têm produtos com preço fixado por tipo.
  • Crédito – O anunciante dá um vale-compras ou um percentual de desconto para uso no próprio site. É comum em sites que vendem hospedagens e alguns de compras coletivas.

Tipos de Sistema de Controle

A parte administrativa é o software ou sistema que cuida da confirmação das vendas ou ações. Ela também controla as comissões devidas,  e a parte operacional do programa de afiliados. O sistema de controle pode ser de 3 tipos:

  • Redes de afiliados – Têm como maiores exemplos para infoproduto a Hotmart e Monetizze e, para produtos físicos-+—, a Afilio e Lomadee. Essas redes têm cadastro único para afiliados que escolhem, entre os programas disponíveis, em quais desejam participar. As redes são ideais, porque oferecem ao anunciante (matriz) o programa de controle, a hospedagem deste e toda a logística de atendimento e ainda cuidam do pagamento aos afiliados, tudo documentado em relatórios. Pesquisas mostram que, nos EUA, as redes de afiliados controlam pouco mais de 40% das vendas por programas de afiliação.
  • Software de afiliados – O anunciante compra o software, instala-o em sua própria hospedagem e fica responsável por integrações, adaptações e controle do programa, assim como da parte administrativa e de relacionamento (primeiro contato). Calcula-se que 7% dos afiliados utilizam esta possibilidade.
  • Serviço – engloba software, hospedagem deste e painel de controle online. O programa é hospedado e mantido pelo desenvolvedor do software, que também é responsável pelas manutenções corretivas e evolutivas dele. A parte administrativa fica por conta do anunciante, assim como o relacionamento. Mais de 50% dos parceiros utilizam este formato.

Classificação dos Programas por Níveis

Os programas de afiliados ainda são classificados por número de “camadas” ou níveis:

  • Uma camada ou nível (1-tier) – O modelo mais comum tem afiliados que são pagos por objetivos atingidos e ponto final.
  • Duas camadas ou níveis (2-tier) – Tem afiliados e podem ter parceiros que busquem novos afiliados (afiliados que indicam afiliados). A primeira camada de afiliados é remunerada por suas próprias vendas assim como pelas vendas da outra camada, porém em percentuais menores. É um modelo aceito sem maiores problemas.
  • Várias camadas ou níveis – Conhecidos como MLM (multi level marketing) ou MMN (marketing multinível). São programas que permitem diversas camadas, cada uma indicando outra. Muitas vezes são tidas como esquemas de pirâmide, mesmo quando não o são.

As MMNs têm controle confuso e nota-se uma preocupação grande em se conseguir novos afiliados e pequena em efetivamente vender. Pode-se ter 5 mil afiliados divididos em dezenas de camadas, mas, se ninguém vender, o resultado ainda é zero. Outra restrição é que muitas vezes se cobra pela afiliação, na forma de estoque inicial de produtos para revenda. Se lhe parecer estranho, não perca seu tempo.

Oferecer um programa de afiliados ou fazer parte de um desses pode ser extremamente vantajoso para seu negócio online.

Cuidado é palavra de ordem na internet, logo é importante que se pesquisem os comentários de atuais afiliados e usuários de softwares ou serviços antes de se decidir pela utilização de determinado produto ou pela afiliação a um determinado programa a fim de fazer uma escolha bem embasada.

Os programas de afiliados costumam ser a porta de entrada de muitos empreendedores nos negócios digitais, e então, programas de afiliados são para você?

Co-fundador da MarketingDigital.com.br, Alex Moraes é especialista em Marketing Digital. Após diversas conquistas na prestação de serviços na agência digital de seu irmão, o designer Anderson Moraes, mudou o foco da empresa, a Clicktime Marketing e Design, para a educação. A MarketingDigital.com.br é um hub de troca de informações, com muito conteúdo próprio e de parceiros, glossário, guia de prestadores de serviços (agências e profissionais), agenda de cursos e eventos e tudo mais que se refira a Marketing Digital.

91 artigos publicados