Como Ser Profissional de Marketing de Conteúdo ou de Marcas

Como ser um Jornalista de marcas

Quer saber como ser um profissional do marketing de conteúdo ou jornalista de marcas? Conteúdo baseado em fatos reais.

Se você for um jornalista, para se tornar um profissional de marketing de conteúdo ou jornalista de marcas o processo passa por 3 momentos: o entendimento do que se espera de você, adaptação e aprendizado.

Falo isso, pois:

  • Em se tratando de princípios básicos da profissão, nada muda. A seriedade, os compromissos e a responsabilidade são igualmente importantes.
  • A adaptação parte de você. Molde seu conhecimento para uma nova possibilidade. Não queira adaptar a produção de conteúdo da marca para criar um modelo de redação 2.0 na empresa.
    No mesmo sentido, nesse processo de adaptação, é preciso estar preparado para trabalhar com pessoas que não entendem o digital. E elas podem estar na chefia da “transformação digital”.
  • Tudo passa pelo aprendizado. O processo de produção que o guiava na produção de conteúdo para as mídias tradicionais não funciona no digital.

É provável que por agora você já tenha percebido que o trabalho para marcas, como profissional de marketing de conteúdo ou jornalista de marcas é um caminho possível, e uma alternativa que se apresenta como tendo um futuro promissor, numa área onde empregos tradicionais estão escasseando.

Você pode trabalhar internamente em uma empresa, prestar serviço como agência produtora de conteúdo ou, ainda, como freelancer. Pode também empreender e criar seu canal de comunicação.

Independentemente do modelo, você precisa entender as demandas do trabalho digital, a fim de estar preparado para o que vier.

Como estamos falando especificamente de trabalho para marcas, há ações absolutamente necessárias de sua parte. Vamos pensar as ações de acordo com os momentos da mudança.

Como ser profissional de marketing de conteúdo ou jornalista de marcas:

Princípios e Realidade

Primeiramente, só aceite trabalhar com uma marca se você sentir conexão com os princípios da empresa, com sua cultura e seu produtos. Se isso não ocorrer, aí sim, você correrá o risco de trabalhar em desacordo com os princípios de sua profissão.

Já vimos nas partes anteriores que hora alguma os princípios que regem o trabalho do bom jornalista ou escritor serão deixados de lado.

Entretanto, é necessário perceber os desafios, e que estes podem vir de pessoas que não entendem corretamente, ou não aceitam, as mudanças.

Por isso, a adaptação é a fase que exige mais de você.

Adaptação

Você precisa passar por uma adaptação para ser profissional de marketing de conteúdo ou jornalista de marcas.

Reciclagem seria uma palavra muito forte, pois a maior parte de seu conhecimento será utilizado, apenas algumas objeções devem ser trabalhadas.

Informe-se e verá que muitas delas são descabidas, inclusive, já tratamos disso. Por exemplo:

  • Se antes você respondia à equipe editorial, trabalhando para uma marca, você provavelmente responderá ao marketing.
  • As discussões estratégicas dos objetivos e o trabalho conjunto continuarão sendo importantes partes do trabalho.
  • A internet será sua maior aliada. Por ela, você conseguirá atingir pessoas de todos os lugares, faixas etárias, níveis socioeconômicos, culturas, raças, enfim, de todos o tipos. Isso é uma oportunidade, mas também um desafio.
  • Entenda a marca. Conheça os seus objetivos e princípios. Conheça os clientes, entenda o que eles esperam da marca e como preferem ser alcançados.
  • Se você informa, educa, entretém, emociona e diverte sua audiência, quando eles decidirem comprar um produto que sua marca vende, adivinhe quem eles vão escolher… Conecte-se.
  • Se antes você brigava por uma pauta, agora você brigará por orçamento. Parte de você convencer marketing e a direção da empresa que conteúdo funciona. Busque novas formas, novas ideias, novas experiências e consiga verba para isso.
  • Brigue também por promoção de conteúdos específicos, pela derivação da publicações por diversas plataformas e redes sociais. Tudo isso custa dinheiro.
  • Não são só empresas muito grandes que trabalham conteúdo. Escrever para a MarketingDigital.com.br, por exemplo, é escrever para uma marca e é trabalhar com marketing de conteúdo. Nosso modelo de negócios é totalmente baseado nessa estratégia.

O risco do despreparo de seus novos superiores

Este é um subtema da adaptação. Há um risco real nesses novos tipos de trabalho: superiores despreparados. Tudo bem que isso pode acontecer no jornalismo tradicional, mas isso é menos provável.

Eventuais descompassos com a chefia acontecem por que muitos profissionais de publicidade estão se aventurando no marketing de conteúdo, sem o devido conhecimento. Como as empresas também não sabem contratar, tendem a escolher publicitários para comandar a nova área de conteúdo da empresa. Eles, por sua vez, tentarão levar as estratégias que não funcionam mais nem off-line para o digital.

Fique alerta se o marketing da empresa puxar excessivamente para as mídias tradicionais, você terá problemas. Tudo será baseado em propaganda na televisão, respaldo de influenciadores, atuação adolescente nas mídias sociais e outras escolhas que não têm resultados positivos.

Cuidado, na fase de se aprender como ser profissional de marketing de conteúdo ou jornalista de marcas, a aceitação da “publicidade digital” é um perigo, porque pode ser o começo do novo fim. Se quiser se aprofundar sobre o assunto, leia a série: Como Sua Agência Digital Pode Virar o Táxi do Marketing.

A postura perante direcionamento errado

Posso afirmar, sem risco de ser leviano ou arrogante, que a qualidade do conteúdo de marca no Brasil, produzido in-house, ou por empresas que não são originalmente digitais, é pífia.

Quando a produção é interna, algumas empresas que recebem insights de suas matrizes no exterior apresentarão algo de maior qualidade. Com a profissionalização dessa opção, as cobranças virão.

Hoje, no Brasil, esse trabalho é ainda está em fase de implantação, muitas vezes porque parece estiloso e inovador produzir conteúdo. Para o conteudista raiz, isso se apresenta como boa oportunidade.

    • Inicialmente é provável que você tenha que criar sua própria “linha editorial”. Esse trabalho ainda não está totalmente documentado ou formalizado, assim, você deve ir percebendo o que funciona e o que não funciona, a fim de criar seu processo.
    • Se você trabalhar em indústrias fora das áreas de moda, esporte, viagens, beleza e aventura, você perceberá que faltam, no Brasil, exemplos a serem seguidos.
      Quando ainda era agência digital, descobri, por exemplo, que a área de saúde tem uma demanda enorme por conteúdo e paga bem. É uma área extremamente difícil para se produzir conteúdo, mas é um desafio que se paga tanto financeiramente como profissionalmente.
      Se você se dispuser a explorar novos mercados, pode dar muito certo.

Deixe claro que você entende que seu trabalho não é publicidade, mas conteúdo para marca e para marketing. A compreensão dos objetivos do trabalho normalmente assusta como água benta assusta vampiros, mas pode deixar seus insights mais relevantes.

Busque aprendizado

É mais intuitivo do que parece, mas não é exatamente fácil. Você terá que aprender marketing de conteúdo e um mínimo de marketing digital, a fim de poder se lançar como profissional de marketing de conteúdo ou jornalista de marcas.

Assim, você precisará aprender:

  • Marketing digital, com ênfase em marketing de conteúdo, SEO e mídias sociais. Noções de como o conteúdo afeta estratégias de e-commerce, mobile marketing, links patrocinados e-mail marketing também são importantes. Fique calmo, pois ao fim desta parte digo onde buscar aprendizado.
  • A identificar as personas que a marca pretende atingir, se ela vender para consumidores finais (B2C), e as contas que pretende conquistar se fizer negócios com outras empresas (B2B).
  • Como ler as métricas. Certifique-se de quais conteúdos geram mais leads. Lead será a palavra que você mais ouvirá por um bom tempo e significa potenciais clientes. Elas podem se manifestar por meio de um cadastro de e-mail para receber mais informações, pelo download de um e-book (como este) que informe e, ao mesmo tempo, prepare o caminho para a venda (como este).
  • Você terá que entender como investir ou a coordenar quem investe na busca por audiência. Normalmente o marketing cuida disso, mas você vai ter que se reunir com eles, certo?
  • Por fim, e, principalmente, você terá que ser um vendedor. Seu aprendizado apresentou a venda como algo inadmissível, um contraponto para o seu trabalho. Reaprenda.
    Você não trabalhará diretamente com a venda, mas com a venda intelectual, estratégica, a venda que vem do convencimento, da conexão, da informação, da educação, do engajamento, e tudo mais que seu conteúdo puder proporcionar. Vender é algo positivo agora, ok?

Seu novo emprego? Seu empreendimento?

O jornalista de marcas é uma possibilidade nova, em franco crescimento, e que, consequentemente, pode contrapor o difícil momento da empregabilidade nas mídias tradicionais. O trabalho digital do profissional de marketing de conteúdo já está mais estabelecido e com muita demanda.

Usei informações, ao longo desta série, sobre a pesquisa da NewsCred, chamada The Rise o UK Brand Journalists, algo como A Ascensão dos Jornalistas de marca no Reino Unido. A fim de contextualizar, a NewsCred é uma ótima fonte de consulta sobre o trabalho de conteúdo, além de oferecer uma plataforma de planejamento, criação, publicação e métrica de conteúdos, que é utilizada por uma rede de mais de 4 mil profissionais conteudistas.

O Copyblogger, onde me baseei na parte que fala das diferenças entre escritores e profissionais de marketing de conteúdo, oferece ferramentas e treinamento para marketing de conteúdo e é outra excelente fonte de conhecimento.

Assim, como já disse, vento que venta lá, venta cá. Estados Unidos e Inglaterra são os protagonistas do Marketing Digital em geral e Marketing de Conteúdo, mais especificamente. As experiências que os profissionais vivem por lá, mais dia, menos dia, serão vividas por nós. Assim, é muito bom nos anteciparmos e estarmos alertas para o que certamente virá em alguns meses ou poucos anos.

A pesquisa dá números às percepções que profissionais como eu já têm do mercado. Elas também facilitam uma eventual mudança de postura de autores e jornalistas no seu caminho a um novo trabalho. Isso passa pela adaptação de sua produção ao Marketing de Conteúdo, ao Jornalismo de Marcas e, principalmente, à internet como vitrine principal de sua produção.

Falei ao longo de todo o texto de como certas objeções devem ser trabalhadas, para que o conteúdo sirva como ferramenta de conexão e vendas.

E agora… Quer aprender como ser Profissional de Marketing de Conteúdo ou Jornalista de Marcas?

Esta série é o mais puro exemplo de Como Ser Profissional de Marketing de Conteúdo ou Jornalista de Marcas. Ao longo de 7 partes, 50 páginas e mais de 12.800 palavras eu falei da minha empresa, o meu site e do meu trabalho.

Estabeleci minha autoridade no assunto, com exemplos e histórias. É provável que você, agora, me tenha como uma pessoa que oferece conteúdo relevante, e, assim, alguém para ser seguido e considerado. Porém, de tudo que falei, faltou a venda…

Bem, não falta mais. Esta série de conteúdos, é como que uma carta de vendas para um dos cursos da MarketingDigital.com.br😊. E esse curso pode mudar sua vida profissional.

Vender um treinamento no qual você acredita, de um assunto que você domina e para o qual você tem um método é um complemento direto do meu trabalho de conteúdo. Retorne aos tópicos acima e confirme que tudo que mencionei foi contemplado ao longo desta série…

Se você enxerga no seu futuro alguma das possibilidades que apresentamos, conheça o Novo Jornalista. Em breve lançaremos este treinamento que mostra como ser profissional de marketing de conteúdo, jornalista de marcas ou empreendedor.

Co-fundador da MarketingDigital.com.br, Alex Moraes é especialista em Marketing Digital. Após diversas conquistas na prestação de serviços na agência digital de seu irmão, o designer Anderson Moraes, mudou o foco da empresa, a Clicktime Marketing e Design, para a educação. A MarketingDigital.com.br é um hub de troca de informações, com muito conteúdo próprio e de parceiros, glossário, guia de prestadores de serviços (agências e profissionais), agenda de cursos e eventos e tudo mais que se refira a Marketing Digital.

101 artigos publicados