Primeiros Lugares das Buscas? Responda 23 Perguntas Que o Google Faz Para Escolher

primeiros lugares das buscas

Os primeiros lugares das buscas vão para quem produz conteúdo relevante, segue as regras do jogo e responde as perguntas que o Google faz.

Primeiros lugares das buscas é o que você busca? Saiba, primeiramente, que desenvolver, produzir e manter um site já é muito trabalhoso. Torná-lo lucrativo é mais ainda.

Veja que em nosso portal citamos 9 estratégias principais de marketing digital e um grupo, que chamamos de estratégias avançadas, engloba outras tantas.

Além disso, para alcançar os primeiros resultados das buscas, é preciso bem mais.

Cuidar de todas as frentes e ainda produzir conteúdo original, design e imagens de qualidade, cuidar da navegação e usabilidade, contatar pessoas e sites importantes em busca de links, conseguir parcerias, manter relacionamentos pelas mídias sociais e por e-mail. E ainda tem a otimização, a fim de se conquistar os primeiros lugares das buscas. Não é pouco trabalho.

Agora, coloque-se na posição do Google. Consideremos que, para cada artigo original e relevante criado, 500 artigos são copiados, repaginados, alterados, “curados”, indicados ou compartilhados. Exceto copiar, tudo mais é bom, e faz parte da dinâmica natural da internet.

O trabalho das buscas é muito complexo e, porque faz isso tão bem feito, o Google reina absoluto, sem a menor possibilidade de ser ultrapassado em curto ou médio prazos.

Esse destaque veio pelo fato de, na imensa maioria das vezes, o Google oferecer resultados relevantes quando uma busca é feita. Até por isso, combater os espertos, que usam de subterfúgios para burlar as regras, sempre foi prioridade para eles.

Como conquistar os primeiros resultados das buscas?

Um post do blog do Google informa, claramente, que os algoritmos das buscas e suas frequentes atualizações são: “um esforço para reduzir o web spam (técnicas que não beneficiam os usuários) e promover o conteúdo de qualidade”.

Cada vez mais as buscas procuram fechar o cerco aos que não seguem as regras e, de uma forma ou outra, burlam o sistema.

E às vezes o justo é prejudicado por alguma alteração nos resultados, ocorrida após alguma atualização dos algoritmos.

Como apresentar resultados de busca configura um tipo de julgamento, alegar desconhecimento das regras, até porque elas são públicas, não o isenta de culpa.

Assim, vale a mesma premissa do Direito, “O Direito não socorre os que dormem”. Você tem que fazer a sua parte.

Outro post, também do blog do Google, lista parte do que a busca analisa em um site, a fim de ranqueá-lo de forma justa. É ainda mais interessante pensar que isso é feito criando perguntas para o visitante responder.

Traduzo esta lista parcial, mantendo o formato de perguntas separando em 2 tipos de perguntas:

  1. conhecimento, valor e confiabilidade do conteúdo e
  2. estruturação, técnica e qualidade do site.

Veja o que fazer para constar dos primeiros lugares nas buscas:

Conhecimento, valor e confiabilidade do conteúdo/conteudista

  1. Você confiaria na informação apresentada neste artigo?
  2. O artigo é escrito por um expert ou entusiasta que domina o assunto ou ele é tratado de forma superficial?
  3. Você confiaria em inserir as informações de cartão de crédito neste site?
  4. O artigo oferece conteúdo, informação, relatório, análise ou enfoque original?
  5. A página oferece valor superior a outras páginas dos resultados de busca?
  6. O artigo é tendencioso? Ele apresenta os dois lados da história?
  7. O site tem autoridade reconhecida no assunto?
  8. Se o site oferecesse conteúdo relativo à Saúde, você seguiria os procedimentos indicados por esse site?
  9. Você reconheceria este site como autoridade no assunto se apenas o nome dele fosse mencionado?
  10. O artigo oferece uma descrição abrangente do tópico abordado?
  11. O artigo oferece análise criteriosa e informações elaboradas (ou óbvias)?
  12. Os tópicos tratados são de interesse dos leitores; ou o site gera conteúdo apenas para ranquear nos primeiros resultados das buscas?

É visível a busca por confiança nas informações e em quem informa. A outra análise tem outra perspectiva.

Estrutura, competência técnica e qualidade

  1. O site tem artigos duplicados, interpostos, redundantes ou trata de tópicos similares apenas com variações de palavras-chave?
  2. O artigo tem erros gramaticais, de estilo ou citações falsas?
  3. Há controle de qualidade na produção do conteúdo?
  4. O conteúdo é produzido em massa, terceirizado a um grande número de criadores. Ou é espalhado por uma grande rede de sites, de modo que cada página não receba atenção individual ou cuidado?
  5. A edição do artigo foi bem-feita ou descuidada?
  6. Esse é o tipo de página que você colocaria em seus bookmarks, compartilharia com amigos ou recomendaria?
  7. O artigo tem quantidade excessiva de anúncios que distraem ou interferem no conteúdo?
  8. Você acha que esse artigo tem qualidade para estar em uma revista impressa, enciclopédia ou livro?
  9. Os artigos são pequenos, superficiais ou pouco específicos?
  10. As páginas são produzidas de forma cuidadosa e com atenção aos detalhes?
  11. Usuários reclamariam quando vissem as páginas desse site?

A análise para escolher os primeiros resultados das buscas

Fala-se que mais de 200 análises são feitas para ranquear um conteúdo. É incrível pensar que tudo isso foi traduzido para uma fórmula matemática, o chamado algoritmo, que consegue, de forma bastante precisa, responder essas perguntas, analisar diversos outros fatores e, ainda, apresentar uma lista de resultados organizados em ordem de relevância. Ainda mais se considerar que tudo isso é feito em centésimos de segundo.

E mais ainda, há análise de fatores objetivos, técnicos, como número de palavras, compartilhamentos e visitas, como também de fatores subjetivos, como confiabilidade, cuidado, qualidade…

Em outro artigo Marketing Digital brasileiro x Internet Marketing Americano, eu disse “… escrevo para pessoas. Deixo a otimização do site para melhor ranqueamento nas buscas em nível secundário de importância, pois noto que as buscas são inteligentes o suficiente para considerarem essa minha postura como foco na produção de conteúdo original e relevante”.

À época, algumas pessoas consideraram que, ao dizer que o SEO era secundário eu o considerava pouco importante, quando, na verdade, queria realmente dizer em segundo lugar, já que minha primeira preocupação era com o conteúdo.

Acontece de bons sites sofrerem penalidades pelas atualizações do Google, e a recuperação de um posicionamento pode ser bem complexa. Assim, há que se analisar se fatores técnicos, mal trabalhados no site, foram os causadores da punição, antes de pleitear uma revisão (pouco provável de acontecer…).

Em conclusão, entenda que é esperado de você e faça a coisa certa. Por isso, informe-se, instrua-se, aprenda e trabalhe duro para seu conteúdo se tornar um caso de sucesso.

Ah, e um pouco de fé sempre ajuda também. Reze para que os robozinhos de Google cuidem da parte técnica, que os anjinhos das buscas percebam e valorizem sua dedicação e boa vontade, e coloquem você lá em cima, nos primeiros lugares das buscas.

Co-fundador da MarketingDigital.com.br, Alex Moraes é especialista em Marketing Digital. Após diversas conquistas na prestação de serviços na agência digital de seu irmão, o designer Anderson Moraes, mudou o foco da empresa, a Clicktime Marketing e Design, para a educação. A MarketingDigital.com.br é um hub de troca de informações, com muito conteúdo próprio e de parceiros, glossário, guia de prestadores de serviços (agências e profissionais), agenda de cursos e eventos e tudo mais que se refira a Marketing Digital.

101 artigos publicados